07 dezembro, 2011

Uma tarde qualquer

Encontraram-se os dois.
Ela entrou no carro e se limitou a dizer apenas um 'Oi, como vão as coisas?!?'. E ele, enquanto bebia uma cerveja e parecia um pouco mais distraído limitou-se a responder 'Pois é, vão bem' . E ficaram mudos. Um bom tempo mudos. Quem os visse assim não dizia que já se conheciam há anos. Na verdade o que parecia mesmo ali é que um não conhecia mais o outro há um bocado de anos atrás, o que de fato não era verdade.
Resolveram parar na praia e naquele momento ela já não tinha cabeça pra pensar em mais nada a não ser se perguntar o que viera fazer ali.
- Eu gosto de você. - Ele disse a interrompendo nos seus pensamentos.
- Eu também gosto de você. - Ela respondeu sem saber ao certo se falou só para concordar ou se realmente havia algum sentido nisto.
E começaram a conversar. Depois cantaram, dançaram e sorriram enquanto o sol e as ondas formavam o cenário perfeito para aquela tarde de verão e, portanto, de muito calor.
- Olha - ela disse - se não fosse nossos gênios absurdamente parecidos, nossos desentendimentos, e nossas vidas complicadas, posso garantir que não teríamos nos separado naquele dia e que seja lá qual fosse a circunstância que tivéssemos vivido, seríamos fortes e capazes o suficiente para enfrentarmos. O problema da gente é que somos espantosamente semelhantes.
- Eu nunca pensei que tantos pontos em comum pudessem levar duas pessoas a caminhos tão diferentes. - Ele responde meio atônito.
- Peças que a vida nos prega.
- Eu não sei você mas eu ainda queria...
- NÃO. Não diga nada.Vamos dessa vez deixar as coisas acontecerem naturalmente, eu prefiro que seja assim.
Ele a deu um singelo beijo e este parece que foi o motivo que ela precisava pra desabar. Mas nem era de tristeza, era algo que nem mesmo ela, naquele momento, conseguiria explicar.

E aquela tarde que era pra ser só mais uma normal, banal, qualquer entre tantas outras, foi apenas um começo de um recomeço que nem um dos dois saberia onde ia parar. E também no fundo acho que nem queriam saber.
Que continuassem então.

10 comentários:

  1. Adorei a história!
    Esse foi um daqueles textos que a gente vai lendo e visualizando a cena. Muito bom Emanuelle. Coloquei seu blog na minha lista de favoritos, pois quase não passava por aqui, mas agora visitarei sempre!

    Bom feriado
    Beijo ;*

    ResponderExcluir
  2. Muito bom, flor, muito bom!

    "Peças que a vida nos prega..."

    Não tem um único dia que esse pensamento não me passe pela cabeça.

    Um beijo.

    ResponderExcluir
  3. Que liiindo Emanuelle, e que inveja rs...
    queria ter a sorte do REcomeço também ;x

    bjs

    ResponderExcluir
  4. Manu,

    você reiterou pra mim que RECOMEÇAR pode valer à pena. Muito à pena.


    Obg. =D

    ResponderExcluir
  5. cara....chorei com esse texto...é muito meu! posso copiar e colocar creditos? lindo mesmo! beijossss

    ResponderExcluir
  6. obrigado pela visita e comentário
    seu espaço é muito legal

    ResponderExcluir

"Venha quando quiser, ligue, chame, escreva - tem espaço na casa e no coração, só não se perca de mim". CFA